All for Joomla All for Webmasters

Este documentário faz parte do processo de pesquisa e documentação do filme “As Órfãs da Rainha”.

Seleção oficial
Recine, Festival do Arquivo Nacional do Rio de Janeiro
11º Festival de Cinema Judaico de São Paulo

Exibido durante a Passarela da Cultura da USIMINAS, na Usina Unibanco de Cinema e pela Rede Minas de Televisão.

Ano de Produção: 2006
DVD / 26 minutos / Documentário

Patrocínio:USIMINAS
Incentivo: Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Estado de Minas Gerais – Governo de Minas Gerais

O minucioso trabalho de pesquisa e documentação realizado para a elaboração do filme “As Órfãs da Rainha” gerou um documentário sobre a primeira visita do Santo Ofício ao Brasil, ocorrida no final do século XVI. A sombria experiência da Inquisição em Portugal chegava assim às colônias, numa época em que a formação brasileira ainda se iniciava. Produzido pela Persona Filmes, o documentário foi selecionado para o Festival de Cinema Judaico de São Paulo de 2007, entre outras exibições.

O historiador Ronaldo Vainfas conduz a reconstituição das confissões de nove mulheres diante do “Visitador”. Os depoimentos nos transportam para um tempo em que os tipos humanos que habitavam o território brasileiro ainda guardavam as marcas de um país recentemente tocado pelos colonizadores portugueses, num cenário envolto em mistérios e medos. O escritor Eduardo Galeano participa da condução poética do filme.

O documentário é dirigido por Elza Cataldo, que assina também o roteiro e a produção. Participam do filme os atores Christine Antuña, Amanda Vargas, Inês Peixoto, Fernanda Vianna, Neuza Rocha, Aruana Zambi, Tuta Barcellos, Jota Dangelo, Anda Flávia Rennó, Raquel Pedras e Tina Dias. A direção de produção é de Anderson Faria e a fotografia, de Luís Abramo e Bruno Magalhães. A direção de arte é de MarneyHeitmann e o figurino, de Sayonara.

A obra retrata a chamada “Santa Visitação”, como era conhecida a comitiva de religiosos encarregados de zelar pelos dogmas católicos, no momento em que se ampliava ao Novo Mundo a perseguição aos heréticos e pecadores. Em busca dos erros de fé, o alvo prioritário dos inquisidores eram os cristão-novos – os judeus convertidos à força ao cristianismo. Mas também miravam aqueles que se desviavam dos padrões de comportamento permitidos pelas leis religiosas.